segunda-feira, maio 08, 2006

CARDO


CARDO








Cardo,
que não se deixa tocar,
guarda o pudor,
e só quando o fogo o consome,
se abre em flor.

Poema: Manuel Filipe

2 Comments:

Blogger AS said...

Muito lindas as imagens com um belo poema repleto de segnificados...

Um beijo

maio 10, 2006 3:12 da tarde  
Blogger Mendes Ferreira said...

magnifico!!!!!!!!!!!!!!!


bjo.

maio 14, 2006 12:55 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home