sexta-feira, dezembro 30, 2005

GAIVOTA

Gaivota





A gaivota plana num grito circular,
aflora as águas, ao de leve,
numa carícia.

Paira acima dos vendavais,
que avida é breve,
esfinge do cais.

Companheira do luar,
a gaivota plana, num grito circular
sobre a tempestade, ao de leve,
curta delícia.

A gaivota é a saudade dos navios,
é a certeza de voltar
de portos incógnitos e frios.

A gaivota plana num grito circular,
é a esperança,
é o próprio mar.

Manuel Filipe

quinta-feira, dezembro 29, 2005

Capela Santo Amaro 2





quarta-feira, dezembro 28, 2005

Capela Santo Amaro



segunda-feira, dezembro 26, 2005

Reflexo 4

domingo, dezembro 18, 2005

BOM NATAL







Com estes dois lindos presépios.
São os meus votos de um
BOM NATAL CHEIO DE PAZ E AMOR.

quinta-feira, dezembro 15, 2005

Batendo


Se alguém bater um dia à tua porta







Se alguém bater à tua porta,
Dizendo que é um emissario meu,
Não acredites, nem que seja eu;
Que o meu vaidoso orgulho não comporta
Bater à porta irreal do céu.

Mas se, naturalmente, e sem ouvir
Alguem bater, fores à porta abrir
E encontrares alguem como que à espera
De ousar bater, meditar um pouco. Esse era
Meu emissário e eu e o que comporta
O meu orgulho do que desespera.
Abre a quem não bater à tua porta!


Fernando Pessoa

terça-feira, dezembro 13, 2005

Gafanhoto

A fuga do gafanhoto





sexta-feira, dezembro 09, 2005

Sem titulo






.../
Vive porque a vida dura
Nada na alma lhe diz
Mais que a lição da raiz-
Ter por vida a sepultura.
/...

Fernando Pessoa

Água




terça-feira, dezembro 06, 2005

Nuvens 2

As nuvens são sombrias






"As nunens são sombrias
Mas, nos lados do sul,
Um bocado do ceu
É tristemente azul.

Assim, no pensamento,
Sem haver solução,
Há um bocado que lembra
Que existe o coração.

E esse bocado é que é
A verdade que está
a ser beleza eterna
Para alem do que há."

Fernando Pessoa