quarta-feira, outubro 19, 2005

Passagem das horas

Passagem das horas



"Trago dentro do meu coração,
como num cofre que se não pode fechar de cheio,
Todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi atraves de janelas ou vigias,
ou de tambodilhos, sonhando,
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.
(...)

Viajei por mais terras do que aquelas em que toquei...
Vi mais paisagens do que aquelas em que pus os olhos...
Experimentei mais sensações do que todas as sensações que senti,
Porque, por mais que sentisse, sempre me faltou que sentir
E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz."

Fernando Pessoa

3 Comments:

Blogger Isabel-F. said...

Oi Lmatta...

Vim agradecer-tea tua visita lá ao meu sítio... espero ver-te lá mais vezes...

Gostei bastante do que encontrei no teu Blog... as imagens (são tuas???...) ...os poemas escolhidos...o título do Blog...
Poema em Linha Recta é o meu poema preferido... do tb meu preferido poeta o nosso Fernando Pessoa...

Bjs

outubro 20, 2005 4:28 da tarde  
Blogger paper life said...

Belíssimo post Lmatta!

Gosto tanto de campanários como do Pessoa que sabe das viagens.


"afinal a única maneira de viajar é sentir"

e não é mesmo?

Beijos :D

outubro 20, 2005 7:35 da tarde  
Blogger Ana said...

Um poema fantástico para uma imagem muito bela! Gostei muito... e, sabes? ouvi o sino :-)
Um beijo.

outubro 23, 2005 10:54 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home