sexta-feira, outubro 28, 2005

O Zangão


"Estava mergulhado numa água de um azul celestial. Numa morte certa quamdo ouvi um
certo zum zum zum ... depois não sei porquê,vi-me poisado num muro ao sol e o mesmo som
eu ouvia zum zum zum ... perguntei baixinho (és um anjo?)"



O meu anjo sem asas


Não tinha asas. Não era belo. Mas era um anjo.
Encontrei-o no local mais improvável
Para encontrar anjos.
.../...
Poema da encandescente

quarta-feira, outubro 26, 2005

Gotas D´agua -2








Verde foi meu nascimento
E de luto me vesti
Para dar a luz ao mundo
Mil tormentos padeci

segunda-feira, outubro 24, 2005

A minha abelha

Gotas D´agua

quarta-feira, outubro 19, 2005

Passagem das horas

Passagem das horas



"Trago dentro do meu coração,
como num cofre que se não pode fechar de cheio,
Todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi atraves de janelas ou vigias,
ou de tambodilhos, sonhando,
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.
(...)

Viajei por mais terras do que aquelas em que toquei...
Vi mais paisagens do que aquelas em que pus os olhos...
Experimentei mais sensações do que todas as sensações que senti,
Porque, por mais que sentisse, sempre me faltou que sentir
E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz."

Fernando Pessoa

domingo, outubro 16, 2005

Reflexo -2 Ruínas




quinta-feira, outubro 13, 2005

Apanhada


Sou feliz








Sou feliz, diz uma aranha,
Pois graças à minha teia,
A mosca, sendo tamanha,
Não resistiu, APANHEI-A!!

terça-feira, outubro 11, 2005

Estudando matemática



LIBERDADE

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer!
Ler é massada.
Estudar é nada.
.../...
Livros são papeis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa que está indistinta
Adistinção entre nada é coisa nenhuma.


Fernabdo Pessoa

domingo, outubro 09, 2005

espiões árabes



Como encontrei os companheiros do qimladen a dizer mal das férias e do cão com barbatanas...

sexta-feira, outubro 07, 2005

Artur

quinta-feira, outubro 06, 2005

Eu

Vou para férias
fiquem comigo
Xau Deus


Grandes misterios habitam
Olimiar do meu ser,
grandes passaros que fitam
Meu transpor tardo de os ver.

São aves cheias de abismo,
Como nos sonhos as há.
Hesito se sonho e cismo,
O limiar onde está.


Fernando Pessoa



terça-feira, outubro 04, 2005

Abandono, Solidão, Morte


OUTROS TERÃO






Um lar, quem saiba, amor, paz ,um amigo.
A inteira, negra e fria solidão
Está comigo.

A outros talvez
Há alguma coisa quente, igual, afim
No mundo real. Não chega nunca a vez
Para mim.

"Que importa?"
Digo, mas só Deus sabe que não creio.
Nem um casal mendigo à minha porta
Sentar-se veio.

"Quem tem de ser?"
Não sofre menos quem o reconhece.
Sofre quem finge desprezar sofrer
Pois não esquece.

Isto até quando?
Só tenho por consolação
Que os olhos se me vão acostumando
À escuridão


Fernando Pessoa

sábado, outubro 01, 2005

Movimento